COMÉRCIO DO DOWNTOWN COM OS DIAS CONTADOS


O Downtown de Beirute, famoso por suas sofisticadas lojas, e vários restaurantes, anunciou esta semana que vários proprietários de lojas, e empresas, além de oito restaurantes, fecharão suas portas no início de Janeiro, e não vão renovar os seus contratos de aluguéis para 2013.

Os comerciantes da região vêm enfrentando uma longa e difícil crise desde 2011, e os negócios este ano têm ido de mal a pior. 

Os estabelecimentos que ainda continuam abertos têm enfrentado dificuldades para cumprir com as despesas, e algumas empresas como Buddha Bar, Masaya, Hookah, Costa Coffee, Friday’s, Steakhouse, e a Class, já fecharam em 2012. 

O joalheiro da Maarad, Youssef Darwish, afirmou ser impossível sustentar um aluguel de US$55 mil ao ano, com rendimentos mensais menores que US$2mil, e que fechar as portas, é a melhor solução. “O downtown está se tornando uma cidade fantasma, volte aqui a partir de 15 de Janeiro e veja por si mesmo”, disse ele.

Mas não é apenas a forte queda no turismo, e a desaceleração aguda na economia as responsáveis pela decisão dos comerciantes do downtown de fechar as portas. As inúmeras manifestações políticas na Praça dos Mártires, e na Praça Riad al-Solh, desde o assassinato de Rafik Hariri, também estão por trás da queda nos negócios do downtown. 

Sindicatos de trabalhadores e professores, frequentemente transformaram a área num palco para protestos e manifestações, para exigir melhores salários e mais benefícios, desfavorecendo totalmente a região, porque o downtown se transforma numa zona militarizada, ao invés de uma zona nobre turística. 
“Um dia é greve, no dia seguinte, manifestações. Uma rua é fechada aqui, outra é bloqueada lá. Como se espera que possamos atrair turistas e moradores nessas condições?”, questiona Hussein Rizk, gerente do famoso Café de L'Etoile, que fica na Praça Nijmeh, em frente ao Parlamento: "Eu estou alimentando pombos em vez de turistas".

A concorrência com empreendimentos mais recentes, como o Zaitunay Bay, o Souks de Beirute, e novos restaurantes badalados de Ashrafieh e Hamra também contribuíram para a queda dos negócios no downtown. O restaurante de uma cadeia libanesa em Karamna diz, que os fundos injetados nos negócios por seus investidores sauditas, é a única razão pela qual eles ainda conseguem sobreviver firmes. 

GazetadeBeirute
CLAUDINHA RAHME

Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário