Jornalista Gustavo Chacra cria polêmica em seu artigo de Gaza

O Artigo publicado no Blog do jornalista, criticou ataques do Hamas contra Israel. Apesar  do Jornalista ter citado que ele é favor de um Estado Palestino, ele condenou a forma da luta por este Estado. Em sua opinião a Palestina deve conseguir seu próprio espaço através de demonstrações pacíficas.


 Muito elogiado e muito criticado o Jornalista Gustavo Chacra comparou as revoluções da primavera árabe, que eram povos árabes, lutando contra governantes árabes, com a luta  por um estado Palestino contra o governo de Israel. 



Um dos internautas opinou sobre essa questão: 



”...Existem diferenças muito importantes no que ocorreu ( e ocorre ) no Egito e demais países por onde se alastrou a Primavera Árabe e a Palestina. Nos citados países onde a onda da revolta da Primavera Árabe se deu, havia a população insatisfeita com sua condição financeira e política querendo mudar uma liderança local. Na Palestina, temos uma ocupação com mais de 60 anos, onde parte do mundo pós-segunda grande guerra, optou por escolher a Palestina como local para sediar um governo israelense de uma Nação israelense até então inexistente em tempos modernos.

 Pessoas foram retiradas de suas casas e várias foram sumariamente assassinadas. Outras tantas foram arrastadas por diversas circunstâncias a campos de refugiados que na prática tornaram-se "guetos" onde foi interessante promover ou apoiar o assassinato em massa de seus ocupantes: palestinos... 
Questões como o aquífero, como o muro da vergonha erguido pelo Estado de Israel são totalmente esquecidos nessas horas...Devemos esquecer que os palestinos são sujeitados a viverem como prisioneiros em sua própria terra? 
Eu não condeno DEFESA..condeno a ação criminosa de um dos exércitos mais bem equipados e treinados do mundo em "exterminar" civis numa guerra insana...Não posso julgar o Hamas por defender seu território e seus ideais políticos numa região onde a violência sempre imperou...”


Gustavo Chacra disse em seu artigo : “Dezenas de milhares de pessoas poderiam protestar com bandeiras palestinas diante de postos de controle israelenses ou nas praças de Ramallah, Gaza e Nablus pedindo a criação da Palestina convivendo em paz e segurança ao lado de Israel.”


Ele foi muito criticado ao dizer que os foguetes do Hamas tem intenção apenas de matar.

“Como se as bombas de Israel, não tivessem tal intenção”. Respondeu uma mulher brasileira em um grupo do Facebook.


Também o jornalista concluiu com uma frase de sua própria análise dizendo:


“Para o Hamas, é uma vitória quando consegue matar israelenses na guerra armada. E também é uma vitória quando palestinos são mortos, pois na guerra de publicidade podem acusar Israel de ser o “mal”.


Ao acusar o Hamas de fazer publicidade sangrenta. Outro leitor respondeu: 

“Não temos provas para afirmar ou recusar sua suspeita, porém seria o mesmo que dizer que o holocausto foi uma estratégia sionista, para uma futura indenização.”


A jornalista do Gazeta de Beirute Chadia Kobeissi também comentou no Blog de Gustavo, ela concordou que o melhor caminho seria a paz, porém ela disse que não pode julgar um povo que tem sofrido tanto. E afirmou que grande parte do Hamas é composta pela população Palestina. 



 “...Não sei se depois de tanto sangue se isso é possível. Entendo seu pensamento, de que "um ato pacifico, seria muito bom para a Palestina, eu até concordo...”



Ela também disse que  em um lugar onde nunca  houve direitos e muitos inocentes morreram, não da para mandar eles levantarem  uma bandeira branca, como se tudo não tivesse ocorrido.



“...Eu acho que não posso julgar, porque é muito fácil eu estar sentada no meu sofá, e na minha casa, e dizer: Façam movimentos pacíficos...”



Chadia, achou o objetivo da proposta dele, muito sensata e algo muito positivo. 

“Uma diplomacia inteligente para se conseguir um estado palestino...” ela disse. 


Porém adiante ela acrescentou: “Muitas vezes penso como você, outras vezes, eu penso que não estou na posição de falar perdoem ou então agora chega. Para uma família que perdeu vários de seus familiares e amigos, é muito difícil apenas fazer protestos pacíficos...”



Nos Estados Unidos, a pena de morte “rola-solta” isso por matar uma pessoa e muitas vezes não há perdão, como então exigir uma reação pacífica com tantas mortes.



Para Chadia esta soluçao levantada pelo Jornalista, por enquanto é apenas uma utopia pois de acordo com ela, sem justiça, nunca, mas nunca mesmo haverá paz. 



“Primeiramente muitos pontos tem que ser resolvidos, com a verdade, este é o primeiro passo para a paz. O passado jamais poderá ser reparado, mas o futuro vai melhorar, se os países pressionarem e buscarem a justiça, com a base na verdade, sem interesses pessoais. Esse é o único caminho” 



O artigo de Gustavo Chacra teve mais de 2.000 recomendações nas mídias sociais, muitos admiraram seu pensamento e outros usaram seu artigo para criticá-lo, errado ou certo, algo não podemos negar, o artigo provocou grande polêmica. 



Gazeta de Beirute
25-11-2012

Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário