Psicopata ou não?


é simples assim: Quem ama não maltrata. 

Eles estão por todo lugar, em todas as profissões. Pode ser um parente, vizinho, colega de trabalho. Veja se você conhece alguém assim. 

Em geral, ele é charmoso, muito falante, super simpático. Tem enorme facilidade de mexer com as palavras, sempre a seu próprio favor e para seu único interesse. Mas, isso, no início, passa despercebido. As atenções são tantas, são tão solícitos e legais que a pessoa fica meio que envolvida e a atenção não foca em desconfianças. 

Eles são doutores em iludir. Como mágicos ilusionistas, nos engana o olhar. E nos levam por um caminho que só a eles convém, cujo objetivo é o próprio interesse, o próprio prazer, status ou diversão.

Convence as pessoas ao seu redor porque tem o que a gente chama de lábia e leva todo mundo no papo. Uma espécie de flautista de Hamelin. Sabe tocar a exata música para encantar cada pessoa e assim, atrai-las, com seu poder de sedução. A primeira vista, numa passada rápida de olhos, a impressão que dá é que ele tem um interesse genuíno por você. Veja bem, eu disse, à primeira vista.

O psicopata é frio, distante, calculista nas suas relações interpessoais. Ele é insensível, não sente as emoções. Mas, sabe maneja-las com maestria, sempre a seu favor e sem o menor pudor. Tem uma espécie de antena para detectar os pontos frágeis dos que lhe rodeiam e manipular para o sentido que mais lhe convier.

E representa como ninguém. Para ele, a vida é um palco. Ele arma o cenário, ensaia as falas corretas, busca aproximação, se faz de muito interessado, representa, finge. É só uma armadilha para caçar a presa. A presa? Um incauto, qualquer um de nós. 

Eles se aproximam como predadores. Nós não desconfiamos, mas eles sabem muito bem porque se aproximam. Somos bobos? De forma alguma. Ninguém é totalmente preparado para se defender de um psicopata. Planeja, espera, premedita e ataca. Imagine uma cobra pronta para o bote. Então, o ratinho somos nós. 

Não se importando com o que causa no outro em termos de prejuízo, dor ou destruição. Para o psicopata o outro só tem valor de revenda, vale enquanto mercadoria que possa lhe dar lucro de alguma forma. O que acontece é que, como são muito inteligentes, usam as pessoas como ferramentas para alcançar seus objetivos.

E são exímios nessa arte. Sabem, instintivamente, o quanto as pessoas tem necessidade de atenção, de admiração e é por aí que eles nos fisgam como peixes num rio raso. Bajulam, agradam, presenteiam, iludem, lançam a isca. Fingem afeto, fingem preocupação e nós, encantados por estarmos sendo alvo de atenção de pessoa tão legal, charmosa e admirada caímos como bobos.

Sentimentos como amor, gratidão, empatia, não acontecem na vida de um psicopata. Ele é incapaz de se colocar no lugar do outro, de se comover, de se preocupar. As pessoas sentem com o corpo, pelo corpo. O olho brilha, o coração bate mais forte, as mãos suam. O psicopata, por uma característica neurológica, uma falha no sistema límbico, não reage às emoções. Ele passaria impune por um detector de mentiras porque as emoções não lhe atingem.

Chegam tranquilamente a cargos de chefia, à política, a funções importantes. Chegam porque sabem manobrar de acordo com seu interesse. Sabem manipular e dizer o que o outro quer ouvir, e mentir como ninguém. Lamentavelmente, vemos casos assim diariamente. E a culpa pelas pessoas que morreram sem atendimento, pelas pessoas mortas nas enchentes que poderiam ter sido evitadas, pelo que recebem e só repassam a seus bolsos? Culpa nenhuma. Zero de responsabilidade. Psicopatia. 

Da mesma forma, encontramos casos de médicos, dentistas, advogados que nem faculdade cursaram. 

Mas, foram enganando um por um até chegarem aonde queriam.
E a culpa de tratar as pessoas sem ter preparo, e o medo de causar algum dano ou até morte, arrependimento por enganar aqueles que confiaram, investiram? Não, medo, culpa, arrependimento não fazem parte do vocabulário do psicopata. Preocupação real pelo outro também não. Nem erro. Psicopatas não erram, o erro será sempre seu. E eles, provavelmente, vão fazer um discurso com curvas sinuosas para te provarem isso. Porque eles são ótimos em enganar o outro. Show de ilusionismo.

O objetivo é ele, o assunto é ele. Sabe nos emocionar. Sempre tem histórias tristes ou corajosas pelas quais passaram. Se quiser conhecer amigos, parentes, colegas talvez ele não tenha para te apresentar. Mente que nem sente. Se for descoberto, não se importa, não se constrange, não se envergonha. Desconversa, cobre com outra mentira e segue seu discurso manipulador.

 Para o psicopata não há verdade e mentira, como também não há certo e errado. Coisas como leis e ordem são apenas uma questão de jeito para serem burladas. Leis, só as suas próprias, apenas as que lhe forem interessantes.

Rotina, monotonia, constância, não fazem parte da vida deles. E precisam de estímulo constante, para compensar a falta de emoções reais. Tédio é uma queixa recorrente. Mudam de empregos, relacionamentos, residência, pessoas porque enjoam. 

Perseguem suas presas com tenacidade. Enjoam depois que conseguem. Uma vez conquistada, perde a graça. Estragos que podem fazer na sua vida? De todo tipo. Psicopatas deixam um rastro de dor e destruição por onde passam.

Quem é psicopata? Esse é um diagnóstico muito sutil e delicado. Só um profissional pode com segurança afirmar. Muitos de nós agimos impulsivamente às vezes, insensivelmente às vezes. Só que o psicopata é assim sempre. Sempre sem o menor pudor de ferir, entristecer, lesar o outro. Essa frequência é o que determina a diferença entre o psicopata e os outros.

Cito aqui algumas situações. Mas, não se pode afirmar que casos parecidos sejam necessariamente de psicopatas. 

Aquela pessoa que vive te pedindo dinheiro. Sempre contando desgraças, dívidas intermináveis – inclusive com você mas, nunca paga nada de volta. Te deixa com a sensação de estar sendo sugado, esvaziado.

Aquele parente que te convenceu a comprar uma geladeira nova para ele no seu cartão, porque o dele deu um probleminha e nunca te pagou nada, nem tocou no assunto. 

O outro que, separado, não tinha para onde ir, se encostou na sua casa e nunca mais saiu. Dorme até meio dia, bebe seu whisky, faz cara de deprimido quando a coisa aperta. Mas, não oferece um tostão para ajudar nas despesas.

Aquele namorado que te trata como se fosse seu dono. Quer te afastar de todos, tem crises de fúria quando contrariado. Explode de repente por questões banais. Maltrata, destrata, agride, a culpa é sempre sua e depois vem fazer as pazes, como se nada grave tivesse acontecido.

O marido que bate na mulher porque não suporta ser contrariado. 
Aquela pessoa que sempre tem uma exigência que você nunca consegue cumprir, e reclamações dizendo o quanto você é inadequado por não ter conseguido. Sente certo prazer ao te entristecer, magoar, humilhar.

Aquela pessoa que inventa coisas terríveis a respeito dos outros, jura que viu, ouviu, leu coisas que nunca aconteceram só para prejudicar.

Independente de se chegar a um diagnóstico conclusivo de psicopatia, uma coisa pode nos guiar e salvar de permanecer nesse tipo de relação: A nossa emoção, a nossa intuição. 

A percepção de estranhamento entre o que é dito e o que é feito. O que é dito, ilude como o mágico com sua cartola. Principalmente se for dito com charme, à la galã de cinema. Psicopatas sabem fazer isso muito bem. Mas, o que é feito é o que desnuda a verdadeira intenção. Porque dizer que ama, qualquer um pode. Mas, amar, respeitar, querer que cresça, isso é diferente. Quem diz que ama pode bater, maltratar, prejudicar. Mas, quem ama não. Porque quem ama protege, cuida, ampara. Essa é a diferença.

Psicopatas estão por aí à espreita. Em algum momento da sua vida, você vai esbarrar ou já esbarrou com algum. É inevitável. Fique alerta à você, preste atenção aos seus sinais. O coração avisa e a gente cisma em não escutar. Temos sirenes internas. Não se faça de cego nem de surdo. Psicopata ou não, é simples assim: Quem ama não maltrata.

Foto somospsicopatas
Psicóloga Monica Raouf El Bayeh
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

1 comments:

  1. o problema é se livrar dessas criaturas... porque ao que me parece, psicopatas são imortais.. as pragas não morrem nunca....é o velho ditado "vaso ruim não quebra'".. só matando mesmo..

    ResponderExcluir