Museu da Imigração do Estado de São Paulo



Imigrantes de diversas etnias e nacionalidades aportaram no estado de São Paulo entre o século XIX e o século XX. O trabalho nas fazendas de café atraiu muitos estrangeiros em busca de uma vida melhor. Para recebê-los foi inaugurada, no final do século XIX, uma hospedaria no bairro do Brás. 

Os imigrantes desembarcavam no porto de Santos e subiam a serra de trem até a estação onde ficava a albergaria. Ao desembarcar no Brasil, os imigrantes trouxeram muito mais do que o anseio de refazer suas vidas trabalhando nas lavouras de café e no início da indústria paulista. Nos séculos XIX e XX, os representantes de mais de 70 nacionalidades e etnias chegaram com o sonho de “fazer a América” e acabaram por contribuir expressivamente na história do país e na cultura brasileira. 

Deles, o Brasil herdou sobrenomes, sotaques, costumes, comidas e vestimentas. Construída entre os anos de 1886 e 1888, a antiga “Hospedaria de Imigrantes do Brás” foi um dos maiores centros de recepção de estrangeiros já existentes no Brasil. Por suas dependências, passaram mais de 2,5 milhões de pessoas entre os anos de 1887 e 1978, mais de 70 nacionalidades e etnias, todas devidamente registradas em livros e listagens. Eram atendidas cerca de 3 mil pessoas por vez e, em casos extremos, até 8 mil.

Ao longo de seus 91 anos, a Hospedaria acolheu e encaminhou os imigrantes aos novos empregos. Para isso, o prédio contava com a Agência Oficial de Colonização e Trabalho. Além de alojamento, disponibilizava farmácia, laboratório, hospital, correios, lavanderia, cozinha e setores de assistência médica e odontológica. 

Especialmente na década de 1930, a Hospedaria de Imigrantes passou a acolher também trabalhadores migrantes de outros estados brasileiros. Na década de 1970, perdeu sua função original e em 1978 recebeu pela última vez um grupo de imigrantes coreanos, pouco antes de encerrar suas atividades. 

Em 1982, para garantir a preservação dessa história, o edifício da antiga Hospedaria foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat). E em 1998, passou a abrigar o Memorial do Imigrante, para preservar essa e tantas outras histórias que vestem a formação do povo de São Paulo. 
O lugar é composto pelo Museu da Imigração, o Centro de Pesquisa e Documentação, o Núcleo Histórico dos Transportes e o Núcleo de Estudos e Tradições. Reúne os registros de todos que passaram por ali. O acervo contém cerca de mil fotografias, livros e revistas. Documentos de 1882 a 1907, 22% do total, já foram informatizados.  Se você tem sobrenome estrangeiro pode pesquisar em pouco segundos a história dos seus ancestrais. Ou ainda pedir ajuda ao grupo de especialistas que buscam as informações manualmente. 

O visitante também tem a oportunidade de fazer uma viagem de volta ao passado e reviver o início do século XX nos passeios de bonde e maria-fumaça. A estação ferroviária foi recriada no local para ambientar o percurso que vai até a Rua da Mooca. Foram reconstituídos o carro-bagagem, o carro de passageiros de segunda classe, de 1900, e outro de primeira classe, de 1914, da antiga São Paulo Railway. 

Para os amantes de outras épocas, todo dia 25 de janeiro é realizado o “Encontro de Carros Antigos”. O lugar contém também pátio interno, um auditório, jardins e uma fazenda de café, onde há um pequeno cafezal e utensílios usados nas plantações. O Memorial do Imigrante é um dos mais renomados pontos turísticos e culturais de São Paulo. 

Além de abrigar todo o acervo histórico da hospedaria, abriga também algumas salas quem contam fatos dramáticos da história, como a Segunda Guerra Mundial, que acabou ocasionando os desastres de Hiroshima e Nagasaki no Japão. O novo Museu da Imigração herda do Memorial do Imigrante toda a história de preservação da memória das pessoas que chegaram ao Brasil por meio da Hospedaria de Imigrantes, e o relacionamento construído, ao longo dos anos, com as diversas comunidades representativas da cidade e do Estado. 

Museu da Imigração do Estado de São Paulo
Rua Visconde de Parnaíba, 1.316 - Mooca - Zona Leste (Metrô Bresser) - Tel.: (11) 2692-1866

Obs.: O Museu encontra-se em obras de restauro, e fechado para visitação temporariamente, devendo reinaugurar em breve, muito melhor do que já era. Vale a pena aguardar .

Claudinha Rahme
Gazeta de Beirute
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário