Museu Privado Robert Mouawad



O Museu Privado Robert Mouawad, localizado na Rue de L’armée em Zokak El Blat, zona central de Beirute, próximo ao Grand Serail, constitui a perfeita combinação das culturas artísticas orientais e ocidentais. O palácio árabe, construído por Henri Pharaon em 1892, foi adornado com painéis de madeira originais dos séculos XIV e XIX.

Robert Mouawad adquiriu a residência histórica para sediar sua preciosa coleção de artes plásticas e peças antigas. Considerando toda a sua importância cultural e arquitetônica, Mouawad projetou uma nova visão técnica e moderna na tecnologia de reabilitação e restauração do palácio, sem alterar sua dimensão moral e intelectual, e conservando todo o seu charme original.

Henri Pharaon, um representante da alma libanesa, cujo palácio foi associado à arte árabe e libanesa, preservou as memórias fenícias, gregas, romanas e bizantinas, projetando o que eles possuíam de mais retumbante, e registrando todo o humanismo dessas civilizações, em sua arte e pensamentos, sem as quais, o Líbano não poderia ter sido concebido.  

O palácio de estilo neo-gótico, do final do século XIX, foi construído na colina oeste da antiga Beirute, onde diversas peças de cerâmicas antigas foram encontradas, criando assim, um museu dos painéis árabes, através de uma decoração de cinco séculos de arte. As placas de madeira, esculpidas e pintadas entre os séculos XVI e XIX, reviveram o encanto de um palácio oriental, raríssimo.

 Ao adentrar no Museu, a sensação que o visitante tem é indescritível, diante dos elementos que estão harmoniosamente dispostos, que seduzem pela suntuosa opulência do oriente médio, dentro de um espaço residencial particular. O lugar revela uma magia que aguça todos os sentidos e inteligência, que levam o visitante a uma inteligente e prazerosa pesquisa de descobertas, e que é preserva o passado com total autenticidade, através da iluminação que reflete o presente e o futuro. 

Um lugar que definitivamente emana história e cultura, através das diversas obras de arte, e dos diversos tesouros escondidos remanescentes do pós-guerra, que foram carinhosamente preservados por Robert Mouawad, que generosamente manteve o sentido patriótico e sua a paixão pela beleza. 

Entre as preciosidades do museu, pode ser encontrada a coleção de livros e manuscritos antigos do embaixador Camille Aboussouan, que hoje divide a mesma sala onde Henri Pharaon mantinha sua biblioteca, e também o segundo maior diamante do mundo, entre diversas outras joias preciosas. 


 A preservação, e manutenção do palácio de Henri Pharaon, são feitas inteiramente por Robert Mouawad, que dedica todo o seu tempo, energia e dinheiro para manter vivo esse magnífico empreendimento, sem qualquer ajuda pública, ou de outra instituição, que optou em ser o guardião desse palácio, tornando-a, não apenas a sua residência, mas seu santuário particular.  

A restauração interna, e externa do palácio, durou sete anos, e foi realizada pelos maiores e melhores especialistas internacionais, sob a própria supervisão de Mouawad. Ao término da restauração do palácio, Mouawad com muito orgulho e alegria anunciou ao público libanês e estrangeiro, a existência de sua joia particular, entre tantas outras joias antigas encontradas dentro do museu, situada bem no coração central da capital.

 Robert Mouawad poderia manter esse pequeno paraíso para si e desfruta-lo apenas com seus amigos e familiares, no entanto ele decidiu transformar o palácio em um museu privado, aberto ao público, para reconciliar a sociedade libanesa com a glória de seu passado, o que deveria ser feito por outras pessoas, para a preservação do patrimônio histórico e cultural do país, e estabelecer assim um intercambio cultural para as gerações futuras. 

Todas as culturas que precisavam ser ouvidas, expressadas, e reconhecidas necessitavam de um lugar para coabitarem juntas. Nada mais apropriado do que o palácio de Henri Pharaon, que situado no coração de Beirute, desafiou a rixa que dividiu a capital. 

Pharaon, que viveu nesta casa há quase um século, era notório por ser espírito de largura e mantinha excelentes relações com todos os elementos da sociedade libanesa, que eram seus anfitriões habituais. E Mouawad, o grande homem de negócios que adquiriu o palácio, é um amante da beleza, da harmonia, e possuidor de uma sensibilidade indescritível, que apesar do orgulho em ser libanês, se considera um cidadão do mundo. 

O Museu não apenas abre suas portas ao público para compartilhar suas riquezas históricas e culturais, como também abriga shows de música erudita, exposições, organizações de colóquio, recepções profissionais de negócios, banquetes, e eventos culturais, sociais e artísticos. 


Preços: 
Regular: 4500 LL 
Alunos: 1.500 LL 
Estrangeiros 9000LL
Horário de funcionamento: De 9:00 às 17:00

Neste pequeno vídeo da BBC, você pode visualizar um pouco do Museu: 


O Cenário é rico, sem ser espalhafatoso, é colorido sem ser altivo, e sereno, sem ser ostensivo. O Museu Privado Robert Mouawad constitui um legado cultural e referência cultural do oriente médio.


Visitando o palácio, o visitante pode imediatamente ser levado de volta a uma época romântica, de pompa oriental e luxo, uma era que possuía uma beleza sutil, perfeita, harmonia, e de muito bom gosto.


Terminou no último dia 14, a exposição "Art From The Heart", do artista Fouad Tomb, que apresentou suas obras misteriosas e cativantes com seu toque único da arte árabe em pinturas a óleo. A exposição ficou no Museu Privado Robert Mouawad, de 04 a 14 de abril.  




CLAUDINHA RAHME
Fonte de Pesquisa: Holy Spirit University of Kaslik (USEK) 
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário