Deir Taanayel: Produção de laticínios à moda antiga

Foto: Mohammad Azakir

Um grupo de trabalhadores de um Mosteiro Jesuíta em Deir Taanayel, no Vale do Bekaa, vem se dedicando a produzir laticínios e seus derivados, como eram produzidos há centenas de anos. Trajando jalecos, protetor para os cabelos e luvas, os queijeiros iniciam seu trabalho diariamente por volta de 6 da manhã. Seguindo minuciosamente o passo a passo das antigas produções, eles obtêm uma linha de produtos, como iogurtes, coalhadas, manteiga, sorvete, e uma variedade de queijos, com uma qualidade muito melhor do que a dos produtos industrializados.  Uma região conhecida por suas vinícolas, e produção de uma variedade de frutas e legumes, o mosteiro sente orgulho de seu resgate da produção de queijos, e derivados do leite, artesanal. O mosteiro foi fundado em 1860, mas a produção de queijos e o formato atual da fazendo possui apenas 70 anos de existência, quando os monges deram inicio a produção artesanal de queijos, o que acabou dando-lhes inspiração para produzir outros derivados do leite, e laticínios de origem libanesa.  

O Mosteiro encontra-se dentro de uma fazenda de 200 hectares, com uma igreja de pedra e um pequeno lago, além de sua pecuária que inclui cabras e galinhas, além das essenciais vacas. Possui ainda um grande jardim que leva os visitantes até a entrada que possui fileiras de bancos de piquenique, bicicletas para alugar alinhadas ao longo do edifício principal e uma grande gaiola repleta de aves exóticas coloridas, além de diversos gatos que adotaram a fazenda.   As vacas, que pastam a poucos passos de distância, têm o seu leite transportado por meio de tubos para grandes tanques de resfriamento, e que em seguida são drenados em sacos específicos, até atingir a consistência adequada, dependendo do produto para o qual o leite será destinado. É o caso das coalhadas seca e fresca, que são respectivamente feitas a uma temperatura maior do que os queijos. O queijo Gouda, uma inspiração holandesa, é um dos de seus principais produtos, cujo processo de envelhecimento, de até três anos, pode ser armazenado por longos períodos sem sofrer deterioração. 

A demanda dos produtos cresceu, e junto veio à necessidade de organizar o trabalho que eles vinham desenvolvendo. O mosteiro fechou então, há 4 anos, uma parceria com a Arc en Ciel, uma organização libanesa não governamental, especializada em desenvolvimento social e rural, com 30 anos de experiência no ramo. Hoje, o mosteiro conta com 50 funcionários em tempo integral, e outros em meio período, e continua a ser uma operação sem fins lucrativos, mas que deixou de ser um local pouco conhecido, transformando-se em um dos destinos imperdíveis para quem visita a região. Aos domingos, pessoas de diversas nacionalidades e religiões, se encontram em Deir Taanayel, para fazer piqueniques, e passar momentos de lazer, num ambiente pitoresco e ecológico. Em 2011, receberam cerca de 20 mil visitantes, que cresceram para 80 mil no ano passado, e esse ano, a expectativa é a de que o número de visitantes seja de 120 mil. A ONG possui ainda, algumas casinhas de barro tradicionais, e um restaurante que serve os queijos de Taanayel, transformando o local, em um albergue da juventude, aos visitantes que decidem passar a noite. 

Para os que não podem fazer a viagem de um dia, há uma loja em Ashrafieh, que recentemente inclusive começou a fazer entregas a domicílio. Mas não há comparação, com a sensação que se tem ao visitar o lugar, considerado um oásis verde de sustentabilidade ambiental, em uma área relativamente árida. Deir Taanayel mantém viva a tradição de usar métodos que respeitam o meio ambiente, dando um grande exemplo a todas as pessoas, de que para respeitar e cuidar do meio ambiente, basta querer.


Claudinha Rahme
Gazeta de Beirute
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário