HISTÓRIA DOS MARES – FINAL



Golfo de Omã :
O golfo de Omã é um estreito que liga o mar Arábico ao golfo Pérsico. Na costa norte fica o Irã, e, na costa sul, Omã em toda a parte leste, e os Emirados Árabes Unidos com parte da costa oeste.

Mar Arábico :
O mar Árabe, mar da Arábia ou mar Arábico, também conhecido como mar de Omã, é a parte do oceano Índico, entre a Península Arábica e a Índia, que se estreita no noroeste, para formar o Golfo de Omã. O rio Indo é o único rio que flui para este mar, e as cidades costeiras deste mar incluem: Bombaim (Índia) e Karachi, (Paquistão). O mar Arábico banha os antigos territórios portugueses de Goa, Damão e Diu. Os países com litoral no mar Arábico são: Emirados Árabes Unidos; Iêmen; Índia; Irã; Omã e Paquistão.  

Golfo de Bengala :
O golfo de Bengala é um golfo localizado na parte nordeste do oceano Índico. Assemelha-se à forma de um triângulo, e limita a leste com a península Malaia, a oeste com subcontinente indiano, ao sul com o Sri Lanka, e ao norte com o estado indiano de Bengala Ocidental. Diversos rios do subcontinente indiano deságuam na golfo de Bengala: no norte, o Rio Ganges, o Rio Meghna, e o Rio Brahmaputra. No sul, o Rio Mahanadi, o Rio Godavari, o Rio Krishina e o Rio Kaveri.

Mar Morto :
O mar Morto é um lago de água salgada do Oriente Médio, alimentado pelo rio Jordão, que banha a Jordânia, Israel e a Cisjordânia. Nos últimos 50 anos, o mar Morto perdeu 1/3 da sua superfície, por causa da exploração excessiva de seu afluente, única fonte de água doce da região, além da evaporação natural de suas águas. Contudo, os especialistas acreditam que dentro de alguns anos, esta perda tenderá a estabilizar, em virtude de estudos a respeito de sua conservação e preservação, para evitar sua desertificação. A captação das águas do Rio Jordão, por Israel e Jordânia, causa sua contínua redução de área e profundidade, em relação ao nível médio das águas do mar Mediterrâneo. Em 2004, este nível estava próximo de 417 m abaixo do nível médio do mar Mediterrâneo, o que faz com que seja a maior depressão do mundo, e a tendência, é o aumento deste desnível, durante o século XXI.

O mar Morto tem esse nome, devido a grande quantidade de sal contida nele, que chega a ser dez vezes superior à dos demais oceanos, tornando impossível qualquer forma de vida, além de flora e fauna, em suas águas. Qualquer peixe que seja transportado pelo rio Jordão morre imediatamente, assim que deságua no Mar Morto. Sua água é composta por vários tipos de sais, alguns dos quais só podem ser encontrados nesta região do mundo. Em termos de concentração, e em comparação com a concentração média dos restantes oceanos, onde o teor de sal, por 100 ml de água, não passa de 3 g, no mar Morto essa taxa chega a ser de 30 a 35 g de sal por 100 ml de água. A designação de Mar Morto para este lago, só passou a ser utilizada, a partir do século II da era cristã. 

Ao longo dos séculos anteriores, vários foram os nomes pelos quais ele era conhecido, entre outras fontes, a Bíblia Sagrada, mais precisamente, no Antigo Testamento. Nos Livros Gênesis 14,3 e Josué 3,16 o Mar Morto aparece com o nome de Mar Salgado, e como Mar de Arabá, em Deuteronômio 3,17 e em II Reis 14,25. Já em Joel 2,20 e Zacarias 14,8 ele surge como Mar Oriental. Fora da Bíblia Sagrada, Flávio Josefo chamou-lhe de Lago de Asfalto, e o Talmude designou-o por Mar de Sodoma, Mar de Lot, além de outros nomes, que o Mar Morto também recebeu.

Mar Cáspio :
O mar Cáspio é o maior lago da Terra, em área e volume. Situa-se entre o extremo leste da Europa, e o extreme oeste da Ásia. Banha a Rússia, o Azerbaijão, o Turquemenistão, o Cazaquistão e o Irã, com as estepes da Ásia Central, ao norte e a leste. Na Antiguidade, era conhecido como oceano Hircaniano, e também é atualmente denominado, como Mar Khazar e Mar Khvalissian. O Mar Cáspio é o mais importante lago do mundo. Os rios Volga e Ural deságuam no mar Cáspio, que é conectado ao mar de Azov, pelo canal Manych. O Volga é responsável pela maior parte do fluxo de água que chega ao mar. 

Esta via fluvial é fundamental para a manutenção do equilíbrio aquático, constituição biológica e química, e pela oscilação do nível da água. Mas não somente a água da bacia do Volga é recebida pelo Mar Cáspio, a poluição resultante de quase metade da população russa, e de um terço da produção industrial e agrícola de áreas do rio Volga, são os responsáveis pelos elevados níveis de poluição em quase toda sua bacia hidrográfica. A falta de preocupação ambiental, durante o período soviético, contribuiu para a degradação do mar Cáspio, que se divide em três partes principais: a porção sul, onde se encontram as maiores profundidades, a parte central do mar, e a porção norte, que integra a depressão Aralo-Caspiana. 

Esta é a parte mais rasa do mar, e também a mais vulnerável aos impactos socioambientais, por estar situada junto a áreas continentais baixas e planas; além de possuir menor volume e profundidade. O nível do mar Cáspio subiu e desceu ao longo dos séculos. Alguns historiadores apoiam a teoria de que durante a Idade Média, um aumento do nível das águas, teria provocado a inundação de cidades litorâneas da região de Khazaria, como a cidade de Atil. No século XX, ocorreram três grandes períodos de mudança no nível geral da superfície do Cáspio. Entre 1900 e 1929, praticamente não ocorreram variações significativas de nível, porém, entre 1930 e1978, o nível das águas apresentou uma diminuição contínua, principalmente entre 1930 e 1941. A causa principal desse fenômeno foi à diminuição do fluxo de água, vinda dos rios que ali têm a sua foz. A partir de 1978, o nível médio do Cáspio subiu cerca de 2 m.

As oscilações de nível, típicas em lagos ou mares fechados, causam impactos ambientais e econômicos nas áreas ribeirinhas, como aconteceu no durante a prolongada queda do nível das águas entre 1930 e1977, uma tendência irreversível. Outro aspecto importante são suas variações de nível, e seu balanço hídrico, se comparado com o que vem acontecendo no mar de Aral, cuja superfície líquida ficou reduzida dramaticamente nas últimas décadas. As principais cidades à beira do mar Cáspio são: Baku, Azerbaijão, Turkmenbachi, Turquemenistão, Babol, província de Mazandaran, Irã, Atyrau, Cazaquistão e Aktau. E as  cidades históricas à beira dele são: Itil, Khazaran e Sarai Batu, primeira capital da Horda de Ouro.

O Cáspio é uma das zonas de maior produção de petróleo no mundo, em particular nas águas territoriais do Azerbaijão. Pesquisas anunciaram a presença de grandes reservas de petróleo nas profundezas do lago, também conhecido por conter uma população de esturjão, que fornecem as ovas de caviar. Mas como consequência das atividades pesqueiras ilegais, a população tem hoje, seu volume muito abaixo do que era antes.

Mar do Norte :
O Mar do Norte é um mar do oceano Atlântico, situado entre as costas da Noruega e da Dinamarca a leste, a costa das Ilhas Britânicas ao oeste, e a Alemanha, Países Baixos, Bélgica e França ao sul. Uma baía do Mar do Norte, chamada Skagerrak, localizada entre a Dinamarca, a Noruega e a Suécia, se comunica ao Kattegat, e faz ligação com o mar Báltico, através do estreito de Öresund, do Grande e do Pequeno Belt. O mar do Norte conecta-se com o resto do Atlântico ao sul, através do estreito de Dover ou canal da Mancha, e ao norte, através do mar da Noruega. 
Os principais rios que deságuam no mar do Norte são: o Rio Elba (em Cuxhaven), o Weser (em Bremerhaven), o Ems (em Emden), o Reno e o Mosa (em Roterdã), o Schelde (em Flushing), o Tamisa e o Humber (em Hull). Existem importantes reservas de petróleo e gás natural abaixo do seu leito, e suas águas são muito exploradas pela pesca. Antigamente, ele era chamado de Oceanum, ou Mare Germanicum, até o início do século XVIII. No final do século XIX, a expressão tornou-se rara, mesmo na Alemanha.  

Mar de Okhotsk:
O mar de Okhotsk faz parte do Oceano Pacífico ocidental, estendendo-se entre a península de Kamchatka e as ilhas Curilhas a leste, a ilha japonesa de Hokkaido a sul, a ilha Sacalina na costa oriental da Sibéria, e as ilhas Shantar e Okhotsk a oeste, e a norte, na costa sul da Sibéria, entre Okhotsk e o golfo de Shelikhov. Liga-se ao mar do Japão através do golfo de Sacalina, e o golfo da Tartária, a oeste da ilha Sacalina, e pelo estreito de La Pérouse ao sul da mesma ilha. As ilhas costeiras são as únicas ilhas do mar de Okhotsk, como a remota e minúscula ilha de São Jonas (Ostrov Svyatovy Iony). A maior parte do mar de Okhotsk, exceto a área em torno das Curilhas, congela durante o inverno, e no verão, os icebergs descongelam e o mar volta a ser navegável.

Mar do Japão
O mar do Japão é um pequeno mar marginal a oeste do oceano Pacífico, tendo ao leste as ilhas japonesas de Hokkaido, Honshu e Kyushu, a oeste a península coreana, e ao norte a Rússia, e a ilha russa de Sacalina. Ele conecta-se a outros mares pelo estreito de Tartary (ou estreito de Mamiya) entre o continente asiático e a ilha Sacalina; o estreito de La Pérouse (ou estreito do Soya) entre a ilha Sacalina e Hokkaido; o estreito de Tsugaru, entre as ilhas de Hokkaido e Honshu; o estreito de Kanmon entre as ilhas de Honshu e Kyushu; o estreito de Tsushima entre as ilhas de Kyushu e Tsushima, e o estreito da Coreia entre Tsushima e a península coreana. Ele possui três bacias principais: a bacia de Yamato no sudeste do mar do Japão; a bacia do Japão ao norte; e a bacia de Tsushima ao sudoeste. A bacia do Japão é a região mais profunda deste mar, enquanto que as águas menos profundas se encontram na bacia de Tsushima.

Mar da China Meridional
O mar da China Meridional é um mar marginal, parte do oceano Pacífico, que vai desde Singapura até o estreito de Taiwan. As minúsculas ilhas do mar da China Meridional formam um arquipélago de centenas de ilhotas. Ele estende-se nas direções sudoeste-nordeste, limitado a sul de Samatra e Kalimantan (estreito de Karimata), e ao norte pelo estreito de Taiwan, entre a parte norte até à costa de Fujian na China continental. O golfo da Tailândia cobre a parte ocidental do mar da China Meridional, e os estados e territórios banhados pelo mar da China Meridional são: República Popular da China, Hong Kong, Macau, República da China (Taiwan), Filipinas, Malásia, Brunei, Indonésia, Singapura, Tailândia, Camboja e Vietnam. Neste mar há diversos arquipélagos e muitas das ilhas pertencem ao arquipélago das ilhas Spratly, sendo a maior delas a Ilha Taiping (Itu Aba). Os rios que deságuam neste mar são: Rio das Pérolas, Min, Jiulong, e o Rio Mekong.

Golfo do Alasca
O Golfo do Alasca é um braço do oceano Pacífico, definido pela curva da extremidade sul da costa do Alasca, que se estende desde a Península do Alasca, e ilha Kodiak, a oeste, até ao arquipélago de Alexander, a oeste. A costa deste golfo possui floresta, montanhas e vários glaciares de maré. Alguns dos maiores glaciares do Alasca, como o Malaspina e o Bering, descarregam em sua planície costeira, além de ter várias enseadas, baías e braços de mar, incluindo a baía de Lituya, o sítio onde ocorreu o maior tsunami registrado até ao presente. O golfo do Alasca, é um grande gerador de tempestades, além de despejarem grandes quantidades de gelo e neve no sul do Alasca, resultando em algumas das maiores concentrações a sul do Círculo Polar Ártico, muitas das tempestades deslocam-se para o sul, ao longo das costas da Colúmbia Britânica, Washington e Oregon.

Golfo da Califórnia
O Golfo da Califórnia (ou mar de Cortés, ou ainda mar Bermejo), é um corpo de água que separa a península da Baixa Califórnia, da área continental do resto do território do México. É cercada pelos estados de Baja Califórnia, Baja Califórnia Sur, Sonora e Sinaloa. O nome golfo da Califórnia predomina dos atuais mapas em inglês, o nome Mar de Cortés é o preferido pelos habitantes locais. O golfo abriu-se há 5,3 milhões de anos, permitindo que o Rio Colorado desaguasse no oceano, cuja maior ilha é a ilha Tiburón.

Baía de Hudson
A baía de Hudson é uma baía localizada no noroeste do Canadá, incorporada no oceano Ártico, que recebe a drenagem de uma enorme área, incluindo Ontário, Quebec, Saskatchewan, a maior parte de Manitoba, partes da Dakota do Norte, Dakota do Sul, Minnesota e Montana; e também a região sudeste de Nunavut.  Ela está ligada ao oceano Atlântico pelo estreito de Hudson, e ao oceano Ártico, pela Bacia de Foxe.

O nome é uma homenagem ao explorador britânico, Henry Hudson, que investigou a região em 1610, em seu barco Discovery. Em 1610, Hudson, crendo que encontraria um modo de chegar ao oceano Pacífico, navegou para o sul, pela baía de James, e em Novembro, o seu navio ficou preso no gelo, e a tripulação teve de ir para terra. Na primavera, quando o gelo derreteu, Hudson quis explorar o resto da zona, mas após o duro inverno, e a escassez de alimentos, a discórdia generalizou-se entre a tripulação, que realizou um motim em 1611. Hudson, seu filho, e outros 7 membros da tripulação foram abandonados à sorte num pequeno bote, e nunca mais foram vistos. A baía de Hudson está associada à luta franco-inglesa pelo controle da América do Norte, nos séculos XVII e XVIII, em virtude do acesso aos vastos territórios de comércio de peles. A situação só se solucionou depois que o território foi concedido a Grã-Bretanha, em 1713, pelo Tratado de Utrecht.

Baía de Baffin
A baía de Baffin é um mar localizado no nordeste do Canadá, e que estabelece a ligação entre o oceano Ártico e o Atlântico. É limitado a leste, pela Groenlândia, a oeste pela ilha de Baffin, e a norte pela ilha de Ellesmere, sendo as duas últimas, parte do Arquipélago Ártico Canadiano. A baía é homenagem ao explorador e navegador, William Baffin, que foi a primeira pessoa a navegar nela, em 1616.

Golfo de São Lourenço
O golfo de São Lourenço fica no leste do Canadá, e desemboca no oceano Atlântico, sendo o maior estuário do mundo, e escoadouro dos grandes lagos do Rio São Lourenço, no Atlântico. O rio flui para o golfo, pelo estreito de Jacques Cartier, entre a região Côte-Nord do Quebec, e a costa norte da ilha Anticosti; e pelo estreito de Honguedo, entre a costa sul da ilha de Anticosti, e a península de Gaspé.
Ele é rodeado a norte, pela península do Labrador, a oeste pela Terra Nova, a sul pela península da Nova Escócia, e ilha Cape Breton, e pela península de Gaspé e Nova Brunswick. Possui ilhas grandes, como a Ilha Anticosti, a ilha do Príncipe Eduardo, e as Ilhas Madalena. Além do Rio São Lourenço, deságuam no golfo, outros rios importantes, como o Rio Miramichi, Natashquan, Restigouche, Margaree e o Rio Humber.

Golfo do México
O golfo do México é o maior golfo do mundo, sendo cercado por terras da América do Norte e da América Central. Seu subsolo é rico em petróleo. Sua costa sul banha o México, as costas orientais, norte e noroeste, banham os EUA, e a costa sudeste banha Cuba. O golfo do México se conecta ao oceano Atlântico, através do estreito da Flórida, entre os EUA e Cuba; e ao mar do Caribe, através do canal de Yucatán, localizado entre o México e Cuba. O terço mais ao sul localiza-se na zona tropical, e do golfo, se origina ainda, a corrente do Golfo, uma corrente de águas quentes, que atravessa o oceano Atlântico, sendo uma das mais fortes correntes oceânicas conhecidas. 

O golfo foi também, vítima de poderosos furacões, alguns responsáveis por um grande número de mortes e destruição. A baía de Campeche (México) é maior baía do golfo, e além dela, há inúmeras baías e desembocadouros, onde um grande número de rios deságua no golfo, sendo o mais notável deles, o Rio Mississipi. A terra que forma a costa do golfo, e ilhas de sedimentação é baixa, e caracterizada por pântanos e terras bastante úmidas, bem como extensões arenosas.

Sua plataforma continental é bastante larga em quase todos os pontos da costa, e possui petróleo em alguns pontos, que é extraído através de plataformas marítimas. Outra atividade comercial importante, é a pesca de peixes e crustáceos, além da produção de navios, indústrias petroquímicas, armazenamento de óleo, fábricas de papel, e forte atividade turística, na década 40. O golfo foi usado ainda, como escudo dos EUA contra a URSS, após a revolução de 1932, onde muitos conflitos foram travados por causa do petróleo existente no golfo. 

Mar de Laptev
O mar de Laptev é um mar marginal do oceano Ártico, ao norte da Ásia, entre a península de Taimyr, Severnaya Zemlya, e as ilhas da Nova Sibéria. Ao norte, estende-se até o cabo Ártico, e termina no cabo Anisiy. O mar de Kara fica a oeste, bem como o mar Siberiano Oriental, e sendo navegável nos meses de Agosto e Setembro. Seu nome é homenagem aos exploradores russos, Dmitry e Khariton Laptev. O Rio Lena é o maior rio do mar de Laptev.





Claudinha Rahme
Gazeta de Beirute
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário