Enviaremos mais combatentes para a Síria

 
Nasrallah

Após a explosão no subúrbio de Beirute, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, disse sexta-feira (16), que ele está pronto para lutar na Síria, caso seja necessário, contra os grupos takfiris (extremistas), e afirmou que enviará mais soldados para lutar ao lado das tropas de Bashar al-Assad.

"Vou para a Síria, se for necessário na batalha contra os takfiris, lutar contra os rebeldes que tentam derrubar o regime de Damasco", disse Nasrallah em um discurso transmitido pela televisão, em uma celebração que marca o fim da guerra de julho de 2006, com Israel.

Ele acrescentou:  " Assim como vencemos as guerras contra Israel, vamos vencer a batalha contra o terrorismo."

Nasrallah acusou os islamistas radicais pelo atentado, que matou pelo menos 22 pessoas e feriu outras 325.

Um grupo previamente desconhecido, aparentemente uma célula da oposição síria, disse que realizou o ataque de quinta-feira (15) entre Bir al-Abed e Rweiss, reduto do Hezbollah.

O grupo disse que a explosão veio como uma "resposta à luta do Hezbollah ao lado das forças do presidente Bashar al-Assad no país vizinho.

"A probabilidade mais forte é que os grupos takfiri estão por trás da explosão de ontem e não há dúvida de que alguns deles trabalham para Israel. Estes grupos estão sendo apoiado por outros países", afirmou o líder do Hezbollah.

Nasrallah também disse, que já tem idéia dos suspeitos que estão por trás de ataques e atentados no Líbano.

" Todos os indicadores da explosão, conduzem aos mesmos resultados e fomos informados sobre os locais específicos onde se preparam as bombas. Alguns dos criminosos foram presos e entre eles, há cidadãos libaneses, sírios e palestinos ".

Segundo o líder do Hezbollah, esta ameaça não é apenas contra um grupo, ou país, mas sim um projeto para destruir toda a região.

O líder do Hezbollah assegurou, no entanto, que os assassinatos e explosões não afetarão a força da resistência, ao contrário, isso os deixará ainda mais fortes.

Ele disse aos assassinos: "Vamos chegar até vocês, mesmo que o Estado não chegar. Nós não queremos substituir o Estado na defesa, mas se o Estado não assume a responsabilidade, então nós iremos."

Ele também disse que “aquele que apoia os rebeldes, e quer punir o Hezbollah, por sua interferência na Síria, não entende que os grupos extremistas são a pior escolha para o povo sírio. Eles explodem mesquitas, igrejas, e matam crianças".

O líder xiita assegurou que responderá a qualquer nova explosão, “dobrando o número de combatentes contra os rebeldes extremistas, na Síria”.

O chefe do Hezbollah, também lembrou em seu discurso, do “fracasso, e fraqueza de Israel, após 33 dias de guerra com o Hezbollah”.

"A experiência da guerra de julho mostrou que a resistência é capaz de ser uma força defensiva, caso o Estado não possua, prontidão militar e a tecnologia adequada para enfrentar o inimigo", considerou.

Nasrallah se referindo a Palestina, reiterou seu "compromisso com a resistência, para libertar o que resta da terra ocupada."

E segundo ele, " o tempo do turismo israelense na fronteira com o Líbano terminou para sempre, é o que mostramos com a explosão na fronteira, que impediu os soldados israelenses de ficarem em nosso território, na semana passada. "

Após o atentado no bairro xiita, o Hezbollah aumentou sua segurança na região.

Chadia Kobeissi
Gazeta de Beirute
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário