Líbano - Eid El Barbara

Eid El Barbara (ou Burbara), ou dia da de Santa Bárbara, é um feriado comemorado anualmente em 04 de dezembro entre os cristãos árabes do Líbano, Síria, Jordânia e Palestina. No entanto, no Líbano, acabou se tornando a festa de Halloween. 

É comemorado em honra da santa cristã e mártir Santa Bárbara, cuja crença 
cristã diz, que ela teria se disfarçado 
em muitos personagens diferentes, 
para iludir os romanos que a 
perseguiam. 

No Líbano, a comida tradicional nesta festa, é a “Burbara”, uma tigela de grãos de trigo cozidos, romã, sementes, passas, anis e açúcar, e o Ataif especial, também preparado para esta ocasião no Líbano.

Esses pratos são oferecidos para as crianças, que batem nas portas das casas em trajes de Halloween.  Os cristãos libaneses cozinham uma massa, que depois é recheada com nozes ou queijo, e o movimento fica intenso nas padarias por causa deste tradicional prato. As crianças fazem travessuras, enquanto cantam uma música especial de Eid il-Burbara, e diversos estabelecimentos fazem suas decorações de Halloween.   

Diz a lenda, que Santa Bárbara, realizou um milagre enquanto fugia de uma perseguição; correndo pelos campos de trigo recém-plantados, ela os fez crescer, instantaneamente, para encobrir o seu caminho. Esta lenda é mais popular no Líbano, porém, também é bastante comum em algumas partes da Síria, Palestina e Egito. Este milagre é recriado, simbolicamente, nos dias atuais, através do plantio de sementes de trigo (ou grão de bico, grãos de cevada, feijão, lentilha, etc.) em algodão, no dia da festa de Santa Bárbara. As sementes germinam, e crescem cerca de 6 cm até o Natal, quando os brotos são usados para decorar o presépio, que normalmente é montado, e colocado, abaixo da árvore de Natal.

O  Eid El Barbara é uma tradição muito peculiar, e em grande parte, inspirada por outras celebrações de Halloween do mundo, com atividades semelhantes, como o uso de trajes assustadores, e a prática infantil do “trick-or-treat” de porta em porta, festas a fantasia, escultura assustadoras, sessões de filmes de terror, etc. Mas, ao contrário da versão ocidental, realizada em 31 de outubro, o Eastern Eid El Burbara Halloween, tem fortes laços com suas raízes cristãs. Os cristãos árabes comemoram neste dia suas perseguições anteriores, simbolizadas por Santa Bárbara, que supostamente, fugiu à regra pagã que havia aprendido, para converter-se ao cristianismo. 

Para escapar dos soldados perseguidores que foram enviados para trazê-la de volta, ela usava diferentes máscaras e disfarces, ajudada por seu séquito real privado, tornando impossível aos soldados do rei, a sua identificação; o que justifica até os dias atuais, as pessoas usarem fantasias. Entretanto a verdadeira história desta Eid é um pouco obscura, assim como a história de Barbara possui várias versões diferentes, que foram com o tempo, sendo adicionadas e incorporadas às tradições, e ritos, de diferentes origens, para criar algo tão eclético, quanto à sociedade libanesa. 

No inicio da noite de cada 03 de dezembro, as crianças em trajes de Halloween, anunciam sua chegada, e percorrem toda a vizinhança, batendo de porta em porta, tocando tamborins ou o Tabel (um tambor grande tradicional), cantando a canção “Heshle Burbara” (em árabe: Barbara está fugindo), cuja letra incita a 'dona da casa' a poupar algumas moedas, em troca de boa sorte. Tradicionalmente, o dinheiro é dado, mas aos poucos, os doces e caramelos estão se tornando uma alternativa mais comum, misturando-se, assim, aos costumes ocidentais do Halloween. 

O conto folclórico popular de Santa Bárbara na região, pouco diverge da versão conhecida na Europa, acrescentando algumas características da história santos locais, como é o caso de St Mar Takla Maaloula da Síria. Santa Bárbara não está nas referências dos primeiros escritos cristãos, em virtude das grandes dúvidas sobre a historicidade de sua lenda, ela foi retirada no calendário litúrgico do rito romano apenas em 1969. Acredita-se que ela tenha vivido em meados de 300 D.C., porém os registros de mártires não a mencionam, até o século VII, quando sua veneração tornou-se popular na era medieval.

É dito, que suas relíquias estejam supostamente preservadas, numa igreja construída em torno de 684 A.D., no Cairo antigo, e que ela teria vivido em Heliópolis, embora haja registros que afirmem que ela tenha vivido em Izmet, na Turquia, no início do terceiro século. Ela era a bela filha de Dióscoro, um rico e nobre pagão, que a manteve distante de pretendentes numa magnífica torre construída só para ela. Ele teria dado a ela todo o luxo material, os melhores alimentos, as melhores roupas, funcionários e professores para lhe servir e lhe instruir, mas proibiu-a de ter amigos, ou de falar com estranhos, sem a sua permissão. 

Pouco antes de embarcar em uma viagem, ele encomendou um suntuoso balneário a ser construído para ela, aprovando o projeto antes de partir. Enquanto seu pai esteve fora, ela teria ouvido falar dos ensinamentos de Cristo, e adotou a nova religião. Ela então instruiu os construtores a redesenharem o balneário que seu pai havia planejado, com duas janelas, acrescentando outra janela, para simbolizar a Santíssima Trindade. Após o seu retorno, o pai ficou furioso ao saber da conversão da filha ao cristianismo, e trouxe Marciano, o romano ideal da província, para decretar sua tortura, até que ela negasse a Cristo, ou ela seria então, condenada à morte, por decapitação. 

Barbara foi chicoteada várias vezes e mantida presa, aguardando a próxima sessão de tortura, nessas pausas de seu flagelo, ela orava a Deus, pedindo-lhe ajuda, e ele curou seus ferimentos. Os soldados queimaram suas feridas com ferro quente, bateram e perfuraram sua cabeça, e ainda assim, ela não negava suas convicções, até que Marciano ordenou que ela fosse então, decapitada. 

Dióscoro se ofereceu para executar ele mesmo, a decapitação de sua filha, com sua própria espada, na encosta de uma montanha, fora da cidade. Porém, antes que ele pudesse fazê-lo, um grande raio de luz vindo do céu caiu sobre ele matando-o. Marciano ao ouvir o ocorrido, sofreu um choque tão grande, que morreu de susto.  



Therese Mourad
Gazeta de Beirute
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário