Marido filma suicídio de esposa


 Na última semana, o perturbador vídeo do suicídio de uma jovem recém-casada em Beirute, chocou a sociedade libanesa, e vem gerando uma onda de “CSI” entre muitos libaneses na internet. O vídeo de 46 segundos, mostra Amena Ismail sentada no parapeito da varanda de seu apartamento, no 8º andar, do Edifício Rayan, em Ramlet Al-Bayda, antes de suicidar.

O suicídio da linda jovem já choca de qualquer maneira, mas o que vem levantando inúmeras questões e indignações na sociedade, foi o fato da tragédia ter sido filmada pelo seu marido, que fala com ela, pedindo para que não faça aquilo. "O que há de errado, meu coração? Se algo está errado, diga-me, minha querida. Sua mãe não merece isso... Você pode esquecer-se de mim, se você não está feliz comigo, mas não faça isso, o que eu vou dizer pra sua mãe? Amouna, querida...", essas são algumas das coisas que o marido tentava falar para a esposa, em tom de choro e desespero, segundos antes dela se jogar do prédio, num bairro de classe alta de Beirute.

Amina se suicidou no fim da tarde de sábado (27), por volta de 18h30min da tarde. O vídeo veiculado na mídia foi divulgado por um policial, após o marido ter sido detido pelas Forças de Segurança, e foi postado no Youtube, pela ativista da Sociedade Civil Luna Safwan, no início da última semana; sendo na sequência, noticiado na TV pela Emissora Al-Jadeed. Kifah Fairouz Ahmed, um empresário do ramo de diamantes, havia voltado a alguns dias da Bélgica com Amina.

Aquela era a primeira visita do casal ao apartamento, que estava sendo reformado, o que justifica a ausência de vidros na estrutura da sacada do imóvel. Kifah tem dois filhos do primeiro casamento, ele e Amina residiam Angola, na costa ocidental da África, estiveram na Bélgica a passeio, e vieram ao Líbano para ver a reforma do apartamento, cujo prédio fica em frente à casa dos pais de Kifah, onde eles estavam hospedados.

Alguns moradores da região disseram que a Cruz vermelha foi acionada logo que Amina se jogou do 8º andar, mas eles não atenderam a ocorrência, e após mais de 40 minutos, o corpo de bombeiros chegou ao local, e disseram que Amina ainda estava viva, e veio a falecer quando deu entrada no Hospital da AUB.

No entanto, Fadi Safieddine, dono da farmácia em frente ao Edifício Rayan, nega que a Cruz vermelha tenha demorado tanto para chegar, e nega que Amina ainda estava viva após a queda. O farmacêutico disse que tão logo ele ouviu um forte estrondo e gritos, correu para ver o que havia acontecido, e ele já a viu no jardim; e que 3 minutos após sua queda, seu rosto começou a ficar azulado e seus pés incharem, afirmando que ela morreu no local, e não depois, como pessoas anônimas andaram declarando na mídia.

Amina Ismail era graduada em Pedagogia, e pós-graduada no Departamento de Árabe da AUB, e já havia trabalhado em diversos setores educacionais, inclusive como professora em Tiro, antes de mudar-se para a África com o marido.

A jovem parece que era filha de pais divorciados, e morava com um tio materno, até antes do casamento, e estava casada há apenas 9 meses com Kifah Fairouz Ahmed. E embora uma fonte da família do marido, tenha declarado que o casal tinha um relacionamento harmonioso, a família de Amina afirma que eles não tinham um bom relacionamento, e que ela já havia ameaçado se suicidar outras vezes.

Kifah pagou fiança e foi liberado na manhã de terça-feira (30), para participar do funeral de Amina, em Tiro, no sul do Líbano. Uma fonte próxima à família de Kifah, que não quis se identificar, disse que eles haviam ido ao apartamento para inspecionar o andamento das reformas, e estavam tirando fotos e fazendo vídeos, quando ele percebeu que ela foi para a sacada.

A fonte insinua ainda, que talvez Amina estivesse sofrendo de algum distúrbio mental, ou estivesse alterada, por conta das medicações pesadas, que ela estava tomando para tratar a depressão. E complementou, dizendo que a irmã mais velha de Amina, também cometeu suicídio.

Entretanto, outra pessoa, próxima à família de Amina, nega que ela estivesse deprimida, e tomando medicação pesada para depressão. Pessoas, próximas às duas famílias, vêm fazendo declarações e afirmações completamente contraditórias nas mídias, causando mais dúvidas e confusões, em torno do caso; o que realmente se passou entre o casal, naquele momento, só o marido sabe.

E isto não foi divulgado ainda, Kifah ainda não se pronunciou publicamente, sobre o que eles estavam discutindo, ou o que se sucedeu, de fato, para que Amina decidisse se jogar da sacada. As duas famílias estão pedindo para que o caso seja investigado em sigilo, e pediu a remoção do vídeo veiculado do suicídio de Amina, de diversos sites.

No vídeo veiculado, começa com o marido gravando a cena, quando Amina já está sentada no parapeito da sacada e se preparando para saltar, e mostra o apelo de Kifah, pedindo-lhe para que ela não fizesse aquilo. Amina responde algumas coisas, que ficaram inaudíveis no vídeo veiculado, e segundos depois...  Ela salta. O marido leva algumas frações de segundos gritando desesperado, sem nem olhar onde ela caiu, e o vídeo é cortado, com ele entrando aos gritos para o interior do apartamento.

O trágico suicídio de Amina vem levantando diversas questões na sociedade, e agitando diversas pessoas a suporem as diversas razões que poderia ter levado-a a tomar essa decisão. Uma das principais questões que vem sendo feitas pela sociedade libanesa, é o porquê, de Kifah filmar o suicídio da esposa, ao invés de tentar impedi-la, e muitos acreditam que ele, já pensando em se defender da acusação de tê-la matado, gravou seu suicídio para provar para a polícia que ela saltou porque quis.

O caso é triste, chocante, e cheio de perguntas, sem respostas. Tudo o que há até o momento são especulações e suposições, alguns depoimentos de pessoas próximas, ou que moram no local, além de Kifah estar sendo muito criticado pelo seu comportamento.

O vídeo perturbador, veiculado nas mídias, tem 46 segundos, e pode ser visto aqui: 

No site das Forças Libanesas (bem como no Twitter e outros sites), foi apontada a hipótese de que Kifah pudesse estar segurando algo suspeito em sua mão (como uma faca), o que talvez pudesse estar intimidando-a, e a levou ao suicídio. Duas pessoas que comentaram na postagem do site das Forças Libanesas, disseram ter usado programas profissionais de edição de áudio, para tentar decifrar o que Amina fala pra o marido antes de saltar.

Segundo uma pessoa que se identificou, no site, como “Tony”, e que afirmou ter usado um programa de edição de áudio, ele conseguiu ouvir parte do que Amina fala para o marido antes de se jogar, e que está inaudível no vídeo veiculado na mídia. Tony ressalta que no vídeo veiculado, nota-se que ela fala com Kifah, porém, não dá para ouvir o que ela fala, mas quando Kifah fala com ela, sua voz aparece clara e nítida o tempo todo, e sempre sobrepondo a voz dela, embora ele não estivesse tão distante de Amina.

Tony afirma que Kifah começa a falar coisas sem sentido para Amina (o que é ouvido no vídeo veiculado), sem responder de acordo com o que ela estava lhe falando, e ele conseguiu captar na edição, e de repente, ela saltou. Ele disse ainda, que o vídeo foi realmente editado, e que qualquer pessoa especializada nessa área, pode comprovar suas afirmações.

Por que Kifah editaria o vídeo antes de entregá-lo a policia? Com que propósito? O suicídio aconteceu no sábado, mas parece que a policia, só o viu na segunda-feira. Teria o marido, editado o vídeo, propositalmente, para ofuscar o que Amina lhe falava, segundos antes de morrer? Seu intuito era provar que ele não a empurrou do 8o andar, isso fica claro, desde o inicio. Mas por que ele (ou quem editou o vídeo), não quis que ninguém soubesse o que ela falava pra ele, ou ouvisse o assunto que eles falavam?

Os moradores locais, disseram que o vídeo veiculado na mídia, está simplificado nos 46 segundos finais que antecedem a morte de Amina, mas que eles viram o vídeo original, que tem 01h45min de gravação. Espera-se que a perícia edite o vídeo inteiro original, e descubra o mistério intrigante em torno desse triste suicídio.

O que foi cortado do vídeo original, talvez justifique a vontade das 2 famílias, de manter o assunto em sigilo. Segue abaixo, a imagem da postagem feita no site das Forças Libanesas, e na sequência, a parte do que “Tony” conseguiu ouvir Amina falando no vídeo, editado com programa especial de edição de áudio, e o comentário, que ele mesmo fez ao final do que ele descobriu:


“- Eu não sei, mas você não acorda” (segundo 1.439 até 3.250). O documento foi cortado e editado no segundo 3.268.
“- Eu estendo o colar (ou corrente)“ (seg.4.992 ate 5.804).
“- Você tem 1 hora, que deixa” (seg.19.495 ate 12.074). 
“- Perca! Você falou no plano que nós vamos...” (13.287 até 13.943). A conversa não está clara.
“- Por quê?” (No segundo 19.423, aparece alguém, além deles).
Resumindo: O áudio do vídeo foi editado em várias partes, por exemplo, no segundo 13.490 e 15.766, a voz do marido muda, sempre que ela fala, tem muitas coisas (sons) de fundo, mas quando ele fala, é muito claro e nítido. Qualquer pessoa que entenda sobre edição de áudios, vai chegar às mesmas conclusões. Estou abismado como que não detiveram o marido, pelo menos, ate o final das investigações. (Tony)

Para quem quiser conferir a postagem e os comentários, no próprio site, clique aqui:


A ativista, Luna Safwan, esteve em Ramlet Al-Bayda, e conversou com moradores locais sobre o fatídico sábado. Veja o vídeo feito por ela, clicando aqui:

Nos textos em árabe, que aparecem no vídeo, Luna mostra o local onde Amina caiu após ter se jogado do 8º andar, e diz que algumas testemunhas, que estavam no local, por coincidência, deram detalhes do dia do suicídio, mas que preferem não ter seus nomes ou imagens divulgadas. Os moradores confirmaram que aquele sábado, tinha sido a primeira visita do casal ao apartamento, que está em reformas; e que a família de Kifah se negou a dar entrevista, em virtude da barbaridade do incidente. Aliás, as duas famílias não se manifestaram até o momento.

Luna afirma que nenhuma emissora de TV esteve no local, para cobrir o incidente, o que fez os moradores se questionarem do por que, de ninguém ter aparecido no local, para reportar um incidente tão bárbaro e misterioso. Ela e sua equipe, foram os primeiros, e únicos, a se dirigirem ao local para relatar o suicídio, e conversar com os moradores locais, que também confirmaram a demora da chegada da Cruz Vermelha, e que Amina, permaneceu no local da queda, durante 45 minutos.

Tradução da entrevista feita no vídeo, por Luna Safwan, com moradores locais:

Luna Safwan: Quem estava gritando e chorando assim?
Moradora: Fairuz, o sogro dela, ele estava chorando e lamentando: “Agora mesmo estava tudo bem, se eu tivesse vindo com vocês, isso não teria acontecido, por que eu não fui com vocês?”.
Luna: Quer dizer, que ninguém esperava por isso, certo?
Moradora: Não, não. Foi uma questão de 5 a 10 minutos, eles subiram para ver o apartamento, pela primeira vez. Há muito tempo atrás, o pai dele reformou o apartamento, mas eles não gostaram. Decoração antiga sabe...
Luna: Eles queriam dar uma melhorada no apartamento?
Moradora: Isso, eles queriam dar uma melhorada no apartamento. Eles estavam viajando, e voltaram juntos, e estavam reformando a casa. Eu nunca os vi aqui, essa é a primeira vez que vejo a falecida, mas ouvi falar varias vezes, que eles estavam reformando o apartamento.
Luna: Eles são novos aqui no bairro, e o acidente ainda é recente. Mas o estranho nessa historia, é que o marido da vitima filmou o acidente no vídeo. Por que filmar? E quem divulgou esse vídeo? Isso que estou tentando descobrir.
Moradora: Esse vídeo chegou a todos nós, moradores do bairro, entre brincadeiras. O vídeo se espalhou, e você assistindo o vídeo, chega até a pensar que é uma brincadeira, mas é um fato muito triste.
Outra moradora: Nós estávamos aqui em baixo, e ouvimos os gritos dela, ela gritou muito, a duração do vídeo é de 1:85 segundos. Quem divulgou na net, divulgou só 45 segundos, e não o vídeo inteiro.
Luna: Ele gravou somente o que aconteceu antes e depois do acidente.
Moradora: Enquanto ela caía, ela gritou para ele: ”Mande lembranças a minha mãe”, e isso não aparece no vídeo divulgado na internet, porque eu assisti ao vídeo inteiro.
Luna: Mas quem divulgou esse vídeo cortado na internet? Pois se esse vídeo está cortado, não é a gravação inteira. E essa divulgação não está ajudando-o, pois dá a impressão, que ele está gravando um acontecimento normal, e não que gravando o suicídio da própria esposa.
Moradora: Não sei quem divulgou, mas com certeza não foram eles, não creio. Ninguém se aproximou, por medo da cena.

Luna: Estão falando que a Cruz Vermelha demorou muito a chegar ao local.
Moradora: A cruz vermelha não veio, e quando ligaram para lá, eles falaram que iriam enviar uma ambulância de Achrafieh. E perguntaram: “por que vocês não têm ambulâncias aqui na área?”. E devido a demora, veio o corpo de bombeiros, o que eu estranhei muito. Ela ficou no chão por 45 minutos, e ninguém veio. Emissoras de TV, algum Jornalista, nada! Ninguém apareceu para cobrir o incidente.
Luna: Eu falei com a esposa do porteiro, e ela falou que estava perto dela.
Moradora: Muito estranho ninguém ter vindo cobrir esse acidente.

Esta história, certamente, é muito perturbadora e triste. Mas é evidente, que há um mistério tentando ser escondido, por trás desse suicídio...


 

Claudinha Rahme
Gazeta de Beirute
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário