Santa Terezinha do menino Jesus

Foto: Santuário Santa Terezinha

A “Santa das rosas”
Desde muito cedo, Teresa Martin, iniciou sua devoção ao menino Jesus. Aos seis anos e meio,  começou a se preparar para a primeira comunhão, sendo catequizada por sua irmã Paulina. Graças a esta catequese, o amor ao menino Jesus foi aumentando em seu coração.  Ao falar deste período, a santa afirmava que "amava-o muito". Não é de se estranhar, que à época de seu primeiro chamado à vida carmelitana, ela tenha aceitado com entusiasmo, a proposta de Madre Gonzaga, de se chamar "Teresa do menino Jesus", quando ingressou no Carmelo.

 Após prepará-la para a primeira comunhão, Paulina, já Irmã Inês de Jesus, no Carmelo de Lisieux, convidou a menina a considerar sua alma como um jardim de delícias, no qual é preciso cultivar as flores de virtudes que Jesus viria colher em sua primeira visita.  Em 1887, ela se ofereceu ao menino Jesus, para ser seu brinquedo, desejando abandonar-se, sem reservas, à sua misericórdia. Isto ocorreu por ocasião da célebre audiência com o papa Leão XIII. 

Teresa esperava que o papa autorizasse sua entrada imediata no Carmelo, apesar da pouca idade. Que enorme decepção! Ela recebeu palavras ternas, mas “não” à resposta desejada; mas ela não ficou perturbada. Não havia ela se oferecido para ser a "bolinha" de Jesus, e não dissera também, que Ele poderia fazer o que quisesse com ela? Em 9 de abril de 1888, data de seu ingresso no Carmelo de Lisieux, Teresa pode, finalmente, realizar seu sonho de menina: assinou suas cartas durante todo o postulantado, como "Teresa do menino Jesus".

Em 10 de janeiro de 1889, dia em que recebeu o hábito, assinou pela primeira vez "Irmã Teresa do menino Jesus e da Santa face", que seria seu nome definitivo de Carmelita. Quando ela entrou na clausura, a primeira coisa que lhe chamou a atenção foi o sorriso de seu "menino cor de rosa", que a acolheu. Ela se encarregou de colocar-lhe flores desde a Natividade de Maria: "era a Virgenzinha recém-nascida que apresentava sua florzinha ao menino Jesus". Teresa dedicou muitas poesias, recreações piedosas e orações ao menino Jesus, ao mistério do Natal, e aos primeiros anos da infância de Cristo. 

No dia 21 de janeiro de 1894, ela criou e ofereceu à Madre Inês, em sua primeira festa como priora, uma pintura a óleo do menino Jesus, a que intitulou como "O sonho do menino Jesus". Este quadro mostrava o menino Jesus de olhos baixados, brincando com as flores que lhe eram oferecidas. Ao fundo, aparecia, sob a claridade da lua, a Sagrada face debaixo da cruz, e cerca dos instrumentos da paixão. Em uma nota enviada no mesmo dia, Teresa comentou seu quadro: “Longe de temer os sofrimentos futuros, o menino Jesus conserva um olhar sereno, e até sorri, pois sabe que sua esposa (Irmã Inês), permanecerá sempre ao seu lado, para amá-lo e consolá-lo”. 

Quanto aos olhos baixos, estes mostravam sua atitude quanto à própria Teresa: "Ele está quase sempre dormindo". Neste último detalhe, já vislumbramos uma prefiguração da grande prova de fé que iria acompanhá-la em seus últimos dias. No fim de 1894, a jovem carmelita descobriu sua "pequena via". A infância espiritual do cristão, feita de confiança e abandono, deveria se moldar na própria infância de Jesus, em seu caráter de Filho, tão particularmente representado nos traços de sua infância. 

Em 7 de junho de 1897, Teresa se deixou fotografar, tendo nas mãos, as estampas do menino Jesus e da sagrada face. Sobre a imagem do menino Jesus, conhecido como "Messina", Teresa copiou o versículo de Pr 9,4: "Quem for pequenino, venha a mim".

Santa Terezinha é conhecida mundialmente como: A Santa das rosas
Teresinha afirmou seu amor pelas rosas: "Amo tanto uma bela rosa branca, quanto uma rosa vermelha", em uma carta escrita à sua prima Maria Gurérin, em 18 de agosto de 1887. Sentia-se feliz quando podia lançar pétalas de rosas para o alto, quando passava o ostensório com o Santíssimo Sacramento. Madre Inês, sua irmã de sangue, relatou que no dia 14 de setembro de 1897, Teresinha ganhou uma rosa e a desfolhou sobre o crucifixo de forma muito carinhosa. Seu prazer era atirar flores no grande crucifixo do pátio do Carmelo. Gostava de cobrir o seu crucifixo de rosas, de forma muito cuidadosa, afastando as pétalas murchas. No entanto, não lançava flores em ninguém. 

Madre Inês conta que certa vez, colocou-lhe rosas nas mãos, pedindo-lhe que as atirasse em alguém, como sinal de afeto. A santa recusou-se a fazê-lo. Ela só desfolhava e lançava rosas para seu amado Jesus. Quem tanto amava as rosas, prometeu, quase ao fim da vida, que faria chover rosas sobre o mundo. Com esta promessa, estava se prontificando a interceder pela humanidade, junto a Deus. Haveria de conseguir muitas graças e bênçãos junto ao Pai. Após sua morte, os milagres iriam se multiplicar. Ela prometeu continuar sua missão no céu, trabalhando para o bem das almas, e não frustrou os que confiaram em sua oração. Ainda hoje, são muitos os relatos de curas, milagres e conversões realizados por intermédio da humilde carmelita.

Origem da Novena milagrosa de Santa Terezinha do menino Jesus
O Reverendíssimo Padre, Antônio Putingan, SJ, em 3 de dezembro de 1925, começou uma novena em honra de Santa Teresinha do menino Jesus, pedindo à milagrosa santa, uma graça importante. Pediu o padre à Santa Teresinha, que lhe desse um sinal de que a novena era ouvida, e este sinal seria receber uma rosa fresca, e desabrochada, de alguém. Já idoso e doente, o Padre Putingan escreveu, em fevereiro de 1926, de um quarto de hospital em Viena:

No dia 3 de dezembro do ano passado, comecei uma novena em honra à Santa Teresinha, pedindo que me mimoseasse com uma rosinha, isto é, que alcançasse uma graça qualquer que ela julgasse útil e salutar para mim. Escolhi como oração para os nove dias, ‘Glória ao Pai’, em ação de graça por todos os benefícios que a Santíssima Trindade concedera à Santinha, durante os 24 anos de sua vida.

Estava muito ansioso, para saber se alcançaria realmente alguma graça. Por isso, pedi à Santa que me mandasse um sinal qualquer. Tomaria por sinal, se ela, por exemplo, sugerisse a alguém a ideia de me oferecer uma bela rosa. Esperei com grande curiosidade. E de fato, no terceiro dia da novena, apresenta-se uma senhorita, trazendo-me uma bonita rosa vermelha, de haste comprida. 

Perguntei-lhe logo: "Como teve a ideia de trazer-me esta rosa?". A jovem respondeu: "Transcorrendo ontem, meu aniversário, trouxeram-me algumas rosas; pensei então que Vossa Reverendíssima talvez gostasse de ter uma nessa estação do ano". Pode ter sido acaso, mas jamais alguém se lembrara de me oferecer uma rosa, mormente no inverno, com neve copiosa e -10 graus.

Em 24 de dezembro, comecei outra novena, e pedi duas graças. Para a primeira não pedi sinal, porque devia eu mesmo sentir o efeito, mas solicitei-o para a segunda. Como sinal, sugeri, desta vez, uma rosa branca. Ninguém sabia disto. Eis que no quarto dia a irmã Vitalis, entra no meu quarto com uma rosa branca na mão, dizendo: "Padre, trago-lhe este pequeno presente da Teresinha; ela lhe manda lembranças". Todo alvoroçado pergunto: "Mas donde vem esta rosa?". 

A irmã explica: "Estava na capela, onde se acha uma estátua de Santa Teresinha. Não tenho o costume de ir ao altarzinho dela, mas hoje fui e vi que uma rosa caíra do altar. Lembrei-me então de Vossa Reverendíssima, e vim trazer-lhe a rosa". 


O Padre Putingan teve as graças, pedidas na novena, alcançadas e resolveu propagá-la, em honra de Santa Teresinha, organizando em cada mês esta novena. Assim, dos dias 9 a 17 de cada mês, todas as pessoas que desejarem fazer a novena, unem as suas intenções às das pessoas que, na mesma época, fazem a novena, formando desta maneira, uma bela comunhão de orações. A novena pode ser feita, individualmente, em família, ou em comunidade, incluindo nas suas petições, as intenções de todas as pessoas que fazem a novena ao mesmo tempo.

Novena das Rosas
Se você está correndo algum tipo de perigo, vivendo um momento de aflição, ou angústia, faça a Novena Milagrosa de Santa Terezinha das Rosas. Diz à tradição, que após a Novena, a pessoa receberá de alguém, de uma maneira bem inesperada, uma rosa, sinal de que seu pedido será atendido pela querida e poderosa Santa Terezinha das Rosas.

Reza-se diariamente durante a novena
“Santíssima Trindade, Pai, Filho e espírito Santo, eu Vos agradeço todos os favores, e todas as graças com que enriquecestes a alma de vossa serva Santa Teresinha do Menino Jesus, durante os 24 anos que passou na terra. E pelos méritos de tão querida Santinha, concedei-me a graça que ardentemente Vos peço (... faça aqui o pedido...), se for conforme a vossa santíssima vontade, e para a salvação de minha alma”.

Reza-se em seguida
24 vezes "Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio, agora e sempre, por todos os séculos dos séculos. Amém!". Pode-se acrescentar a cada "Glória ao Pai", a jaculatória:
"Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós!"

E para finalizar 
1 vez o Pai Nosso e 1 uma vez Ave Maria


Therese Mourad
Gazeta de Beirute
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário