متحفبيروت الوطني

Museu Nacional de Beirute
 National Museum of Beirut 
Mafhaf - متحفبيروت الوطني

Foto: beirut.com


Um excelente entertenimento e somando com muita cultura  é conhecer o Museu Nacional de Beirute. Bonito, grande, e muito bem organizado, o principal museu em Beirute, conhecido por todos, simplesmente como "Mathaf”, (que significa museu em árabe), possui diversas coleções entre esculturas, jóias, fragmento mineral do Neolitico que pode datar até 9000AC, mosaicos e sarcófagos que são apenas algumas das peças incríveis guardadas neste tesouro nacional.

Mathaf é o principal museu de arqueologia no Líbano. A coleção foi iniciada após a I Guerra Mundial, e inaugurado oficialmente em 1942. O museu tem coleções, totalizando cerca de 100 mil objetos, a maioria dos quais são antiguidades e achados medievais de escavações realizadas pela Direção-Geral de Antiguidades. Cerca de 1.300 artefatos são exibidos, que variam em datas desde os tempos pré-históricos, da Era  do Bronze, Era  do Ferro, período Helenístico, período Romano, período Bizantino, conquista Árabe e o período  Mameluco. 

Durante a Guerra Civil Libanesa, em 1975, o museu ficou na linha de frente que separava as facções em conflito.  O Edifício do museu e seu acervo sofreu grandes danos durante a guerra, mas a maioria dos artefatos foram salvos por medidas preventivas de ultima  hora. 

Hoje, depois de uma grande reforma, o Museu Nacional de Beirute recuperou a sua antiga posição, especialmente como um coletor principal de objetos antigos.

Foto: www.beirutnationalmuseum.com

DETALHES DA HISTÓRIA
A história do Museu Nacional começou em 1919 com um pequeno grupo de artefatos antigos, que haviam sido recolhidos por Raymond Weill, um oficial francês  a serviço no Líbano. Esses objetos foram exibidos em uma das salas do prédio da  Diocese  Alemã  em Georges Picot Street, em Beirute. Esta sala de exposições serviu como um museu temporário.

 Um comitê de fundação foi criado em 1923 com a tarefa de angariar fundos para a construção de um museu em  um terreno localizado na estrada para Damasco, perto do hipódromo. Os planos apresentados pelos arquitetos Antoine Nahas e Pierre Leprince Ringuet foram aceitos pela comissão que foi dirigida por Bechara el Khoury, o então Primeiro-Ministro e Ministro da Educação e Belas Artes da República Libanesa.

As atividades da construção começaram em 1930 e foram concluídas em 1937. O Museu foi inaugurado em 27 de maio 1942 por Alfred Naccache , o então presidente da República Libanesa. 

Até 1975, os visitantes do Museu poderiam admirar uma grande coleção de objetos bonitos que vão ao longo de um período cronológico, da Pré-História ao século 19. Dentro de 30 anos o acervo do Museu tinha aumentado substancialmente com a adição de artefatos encontrados em escavações recentes  ( sarcófagos, mosaicos, jóias, moedas, cerâmica, madeira, armas... ) 
O Museu Nacional é considerado um dos museus mais importantes do Oriente Médio por causa de sua rica coleção. Sua importância reside no entanto, no fato de que ele faz parte do Diretorio Geral de Antiguidades: escavações realizadas por este último, constantemente adiciona novos objetos para a riqueza das coleções apresentadas.

Em 1975 o  Museu Nacional fechou suas portas quando a guerra do Líbano estourou.

Quando os acontecimentos trágicos começaram, a situação nas imediações do Museu e da Direção Geral de Antiguidades de forma rápida e perigosamente se deteriorou. Ambos os edifícios eram , infelizmente, localizados na linha de demarcação, que tem dividido Beirute em duas áreas antagônicas por mais de 17 anos. O museu não era apenas uma testemunha, mas também uma vítima da guerra violenta.

 Devido a esses acontecimentos, as autoridades decidiram fechar o Museu temporariamente, na esperança de que a situação fosse  acalmar rapidamente. Mas as  expectativas  foram deterioradas e o país afundou, dia após dia, em um ciclo interminável de violência. Ninguém estava preparado para enfrentar esta longa guerra e ninguém nunca imaginou que o Museu Nacional se transformaria em um quartel por elementos armados.

Foram tomadas as primeiras medidas de proteção dentro do museu , enquanto combates  e momentos de trégua alternavam durante os dias e noites. Pequenos achados, os objetos mais vulneráveis da coleta, foram retirados das vitrines e escondidos em depósitos no subsolo. O último andar foi emparedado proibindo qualquer acesso aos andares inferiores.

                                         
Foto:www.beirutnationalmuseum.com


No piso térreo, mosaicos, que tinham sido montados no pavimento, foram cobertos com uma camada de concreto. Outros objetos grandes e pesados, tais como estátuas e sarcófagos, eram protegidos por sacos de areia. Quando a situação chegou a seu pior em 1982, os sacos de areia foram substituídos por concreto em torno de uma estrutura de madeira em torno do monumento.

Quando o cessar-fogo foi declarado em 1991, o Museu e o Diretório-Geral de Antiguidades estavam em um estado terrível de destruição. O museu era como uma ferida aberta, inundado com a água da chuva que vinha  do telhado e das janelas. A fachada exterior foi completamente marcada com  buracos de tiros e bombas, enquanto as paredes internas foram cobertas com pichações deixadas por milícias que usaram o Museu como um quartel militar.

Em relação ao acervo do Museu, a situação era altamente crítica: os objetos foram mantidos em depósitos por mais de quinze anos em condições totalmente inadequadas. 

Os grandes objetos de pedra foram deixados em suas caixas  sem qualquer ventilação. Uma vez que o Museu Nacional foi construído no lençol freático , o que causou um perigoso aumento na taxa de umidade e a subida do nível da água no interior dos armazéns, e traços de  corrosão  de água salgada foram vistos na borda inferior dos monumentos de pedra.

Vários documentos (mapas , fotografias, registros ), bem como 45 caixas contendo objetos arqueológicos foram queimados em um fogo de artilharia, que devastou o corredor adjacente ao Diretório-Geral de Antiguidades. Nada também havia restado dos equipamentos de laboratório .

 Para encurtar esta longa história, tudo teve que ser refeito.

O trabalho de restauração começou em 1995 e incidiu sobre o próprio edifício (reparação da estrutura, iluminação, ar - condicionado, segurança e sistemas acústicos, elevadores, vitrines, água, drenagem ... )  Enquanto isso, o inventário, a gravação e restauração dos objetos estavam sendo feitas. 

A reabilitação do Museu Nacional foi possível graças aos esforços conjuntos do Ministério da Cultura, Diretório -Geral de Antiguidades e da Fundação Nacional do Património.

Em 25 de novembro de 1997, Elias Hraoui, o Presidente da República do Líbano, inaugurou o Museu , que reabriu suas portas para centenas de visitantes. Mas apenas o piso térreo e parte do porão foram abertos ao público, porque as restantes partes ainda estavam em reparação (drenagem da água e restauração das primeiras galerias de piso). Esta parcial reabertura teve como principal objetivo recriar um contato entre o Líbano e seu passado. 

Em julho de 1998, o Museu fechou suas portas novamente porque as condições apropriadas para a exibição de objetos ainda estavam faltando. Modificações substanciais foram necessárias para que o museu, que foi construído na década de 1930, atenda  as necessidades e as normas da museologia moderna.

Em 8 de outubro de 1999, sob o patrocínio de Emile Lahoud, o então Presidente da República do Líbano, o Museu abriu as suas portas: os pisos térreos e superiores tinham sido completamente transformados. Atualmente mais de 1.300 artefatos arqueológicos são exibidos. 



Foto  www.spearswms.com

ARQUITETURA
O museu foi projetado no estilo de Renascimento Egipcio, pelos arquitetos Antoine Nahas e Pierre Leprince Ringuet. Ele incluiu, um piso térreo, um terraço, o bloco central que é coberto por  um telhado de vidro, acima do mezanino, dando luz natural.

Todo o espaço de aproximadamente 5.500 metros quadrados  e o espaço de exposições totalizam 6.000 metros quadrados. As imediações adjacentes anexadas do museu e escritórios administrativos ocupam cerca de 1.000 metros quadrados.

Endereço: 
Damasco Road,  em Badaro, Beirute –Libano 

Telefone:01 612295

Ingresso para entrada
  
5.000L.L
1.000L.L.(estudantes e menores de 18)

Horário de funcionamento 

Das 9:00 as  17:00 horas 
De terça a domingo
Fechado às segundas-feiras e feriados


Carla Mussallam Al Masri 
Gazeta de Beirute     
                                   
Fonte-Natonal Museum 
Share on Google Plus

About beirut lebanon

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comments:

Postar um comentário